Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/2347
Título: Restauração ecológica do ilhéu de Vila Franca do Campo, Açores: a recuperação do habitat para as aves marinhas
Autor: Silva, Carlos Manuel Neves
Orientador: Costa, Luís Toste Rego Vasconcelos
Nunes, Luísa Fernanda Ribeiro Gomes Ferreira
Palavras-chave: Cana
Cagarro
Restauração ecológica
Habitat
Açores
Data de Defesa: 2014
Resumo: A introdução de espécies invasoras em ambientes insulares é uma das principais ameaças à nidificação das aves marinhas. Numa tentativa de perceber a dimensão do problema, foram mapeadas, por fotointerpretação, 10 manchas de vegetação invasora com recurso a sistemas de informação geográfica. Cerca de 28% do ilhéu de Vila Franca do Campo, Arquipélago dos Açores, está coberto por canas. A cana Arundo donax L. bloqueia a entrada dos ninhos do cagarro Calonectris diomedea borealis Cory. e compete e ameaça as espécies e habitats prioritários do ilhéu. A cana é espécie com maior área e densidade do ilhéu, com cerca de 27 canas/m². Para iniciar o processo de restauração do coberto vegetal, foram testadas 3 metodologias de controlo de cana em 90 parcelas de um metro quadrado. O teste de controlo de canas ocorreu de março de 2009 a março de 2010. O modelo de apoio à decisão (Simple Additive Weighting Model) determinou o melhor método em função do custo-benefício. O método mais eficaz foi o corte manual das canas seguido de duas aplicações foliares de herbicida (uma em maio e outra em outubro, ou seja, antes e depois do ciclo reprodutor do cagarro). O princípio activo do herbicida foi o glifosato. Um ano após o controlo houve uma redução de 92% da densidade de canas com um custo de 0,66 €/m². Este método foi aplicado a 1,35 ha do ilhéu de Vila Franca do Campo. Um ano após o controlo de cana foi estudada a colonização do coberto vegetal. A monitorização das plantas ocorreu em 19 parcelas de metro quadrado de outubro de 2010 a junho de 2011. Foram estudadas as áreas de cobertura e a altura máxima de cada espécie em 3 épocas distintas (outono, inverno e primavera). Durante esse período, a área foi colonizada por 27 espécies de plantas (6 endémicas/nativas, 4 invasoras e 17 introduzidas). As plantas introduzidas são o grupo de plantas com mais espécies e maior área de cobertura média (0,4094 m²). As plantas endémicas/nativas são o grupo de plantas menos representativas em área e em altura média. As plantas invasoras são segundo grupo com maior área de cobertura média (0,1498 m²) e com os maiores valores de altura máxima média (40,75cm). Das invasoras, a cana é a espécie com diferenças significativas de área de cobertura e altura máxima em relação às demais invasoras. Embora tenham sido detectadas tendências decrescente e crescente da área de cobertura ao longo das monitorizações, respectivamente das plantas invasoras e das plantas endémicas nativas, estas ainda não são estatisticamente significativas. Este dados permitem assim estabelecer um conjunto de propostas que orientem as futuras acções de restauro. A cana continua a ser a espécie alvo de controlo, no entanto, novos objectivos devem ser acautelados de forma a impedir a progressão de outras invasoras extremamente agressivas, como a lantana Lantana camara L. e a tintureira Phytolacca americana L.
The introduction of alien species on the islands is a threat to the breeding seabirds. In some islands in the Azores, the alien flora reduces the potential area of breeding habitat for the Cory's Shearwater Calonetris diomedea Cory. In order to understand the problem 10 invasive aliens species was mapped with photo-interpretation techniques. The non-native, invasive giant reed Arundo donax is the most representative species and covers 28% of Vila Franca do Campo Islet (Azores). It blocks the entrance of Cory’s shearwater nest burrows and out-competes threatened the Azorean endemic flora. Three A. donax control methods were tested in 90 square meter plots, and a cost-effectiveness was determined using a Simple Additive Weighting Model. The most effective control method was cutting and removal of giant reed stems followed by two glyphosate-based foliar herbicide applications (one in May and another in late October i.e. corresponding to before and after the Cory’s shearwater breeding cycle). After one year, 92% of giant reed was controlled at an estimated cost of 0,66€ per square meter. This most cost-effective method was applied to 1,35 hectares of the islet. One year after the A. donax control the colonization of the vegetation on the study site was studied and monitored. A set of 19 square meter plots was deployed randomly and they were monitored three times from October 2010 to June 2011 (Autumn, Winter and Spring). It was recorded the vegetation cover rate and the maximum height of each species. Across the monitored season, 27 species have been identified (6 natives, 4 non-native invasives and 17 non-native). The non-native plants are the most representative group of plants with highest average of cover rate (0.4094 m²) and number of species. The native plants are the group less representative and have the lowest vegetation cover. The non-native invasive plants are the second most representative group of plants with a average of cover area of 0.1498 m² and, at the same time, have the highest records of maximum height (40.75 cm). Comparing all invasive species, statistical differences on vegetation cover and maximum height between the giant reed and the other invasive species were found. Throughout the monitored season positive and negative trends on the vegetation cover were detected (positive trends for non native and negative trends for non-native invasive). However these trends were not found to be statistically different. The data collected helps to define strategies and a set of actions required to achieve the goals of the restoration. The giant reed is still the target species, but these goals should be swift in order to prevent the spread of other extremely invasive species. It is recommended that chemical and manual control for these plants is used.
Descrição: Dissertação apresentada à Escola Superior de Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco e à Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Tecnologia e Sustentabilidade dos Sistemas Florestais.
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/2347
Designação: Mestrado em Tecnologia e Sustentabilidade dos Sistemas Florestais
Aparece nas colecções:ESACB - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TM_CARLOS_SILVA.pdf3,61 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.