Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/2396
Título: A percepção da morte pelo idoso em contexto institucional de lar residencial
Autor: Gomes, Ana Margarida Rodrigues
Orientador: Martins, Ernesto Candeias
Palavras-chave: Idoso institucionalizado
Lar residencial
Morte
Morte do outro
Depressão
Elderly institutionalized
Residential home
Death
Death of Another
Depression
Data de Defesa: 5-Jun-2014
Resumo: Num contexto institucional a morte está presente quase que diariamente, o que torna difícil a ocultação e a manutenção da vida a ser vivida. Esta proximidade levanta questões quanto à vida que resta e à percepção que se tem desta Porém ambos os aspectos ‘finalidade da vida’ e percepção da ‘morte’ neste ambiente são particularmente delicados Estes aspectos levaram-nos ao cerne do estudo Qual a percepção que têm os idosos institucionalizados (n=35) em dois lares residenciais na cidade de Castelo Branco quanto à ‘morte’ e à ‘morte do outro’ e simultaneamente as implicações dessa percepção na sua vida quotidiana institucionalizada?’ Este estudo teve como objectivo analisar a percepção entre a morte e a morte do outro num ambiente institucional. Neste âmbito, optámos por um estudo de caso (descritivo, exploratório), de metodologia qualitativa, numa amostra de idosos institucionalizados (n1=35) e de técnicos/responsáveis desses lares residenciais (n2=4). Foi recolhida uma amostra de 35 idosos, sendo a maioria do sexo feminino (57,1%), viúvos (80%), idades entre 81 e 90 anos (68,6%), religião católica (97,1%), baixas habilitações literárias (88,5%) e tempo médio de institucionalização de 3,7 anos. Os resultados revelaram que a ‘morte’ para estes idosos é vista como o abandono de quem ama e como o desconhecido, além de ser um momento de sofrimento, agonia e isolamento. As mulheres apresentam maior demonstração de sofrimento e os homens indiferença e afastamento. A idade avançada evidencia que acreditam que exista vida para além da morte, embora a religião não apresente grande representatividade na minimização do sofrimento. Constatámos que a percepção da ‘morte’ é vista como um último teste à vida, de tal forma que a ‘morte do outro’ influi na sua percepção de morte e finitude, o que desencadeia sentimentos negativos, estados de ansiedade e sinais depressivos. Os resultados obtidos não nos permitem generalizar, mas permitiram verificar em que medida as perspectivas da ‘morte’ e da ‘morte do outro’ estão relacionadas com o sentido de vida do idoso, o ambiente institucional e as suas percepções. Sabemos que existem muitas mais realidades vivenciais, mas a evidência do medo, da dor, do sofrimento e isolamento, que estão presentes nestes idosos após a perda do outro, prioriza o cuidado, que deve ser um processo contínuo, porque espelhamo-nos na morte do outro.
An institutional context death is present almost daily, which makes it difficult to blind and maintenance of life to be lived. This proximity raises questions about life remaining and the perception people have of this. But both aspects ‘purpose of life’ and ‘perception of death’ in this environment are particularly delicate. These aspects led us to the core of the study: 'What have the perception that the elderly subjects (n=35) in two residential homes in the town of Castelo Branco, regarding the 'death' and 'death of the other' and simultaneously the implications of this insight in its institutionalized everyday life?'. This study aimed to analyze the perception between death and the death of the other in an institutional environment. In this context, we have chosen a case study (descriptive, exploratory) qualitative methodology in a sample of elderly subjects (n1=35) and technicians/operators of such residential homes (n2=4). A sample of 35 subjects was collected, mostly female (57.1%), widowed (80%), aged between 81 and 90 years (68.6 %), Catholic (97.1%), low qualifications (88.5%) and mean time of 3.7 years of institutionalization. The results revealed that the 'death' for these seniors is viewed as abandonment of those who love him and the unknown, as well as being a time of suffering, agony and isolation. Women have a higher token of grief and men indifference and remoteness. Old age shows that believe there is life beyond death, though religion does not present great representativeness in minimizing suffering. We found that the perception of "death" is seen as a last test of life, so that the 'death of the other' influences their perception of death and finitude, which triggers negative feelings, anxiety states and depressive signs. The results do not allow us to generalize, but allowed to verify to what extent the prospects of 'death' and 'death of the other' are related to the sense of life of the elderly, the institutional environment and their perceptions. We know there are many more experiential realities, but the evidence of fear, pain, suffering and isolation, which are present in these elderly after the loss of the other, prioritizes care, which should be an ongoing process because we are inspired by the death another.
Descrição: Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/2396
Designação: Mestrado em Gerontologia Social
Aparece nas colecções:ESECB - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TESE_Ana_Gomes.pdf2,93 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.