Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/2985
Título: Avaliação do nível de ansiedade, depressão e autoestima dos idosos com patologia respiratória
Autor: Monteiro, Bruno Miguel Carvalho
Orientador: Belo, Ana Paula Pires Rodrigues
Palavras-chave: Idosos
Patologia respiratória
Ansiedade
Depressão e autoestima
Old people
Respiratory disease
Anxiety
Depression and self-esteem
Data de Defesa: 2015
Resumo: Contexto: Idosos com patologia respiratória crónica, apresentam maior predisposição a transtornos psiquiátricos, quando comparados com a população geral. A ansiedade, a depressão e a baixa autoestima, constituem alguns dos problemas de saúde mais frequentes nos idosos. As alterações psicoemocionais são provavelmente as menos diagnosticadas e tratadas no contexto das patologias respiratórias. Idosos com patologia respiratória que frequentem programas de reabilitação respiratória, apresentam menores níveis de ansiedade, de depressão e maior autoestima face a outros idosos nas mesmas condições. Objetivo de Estudo: Conhecer os níveis de ansiedade, de depressão e de autoestima dos idosos com patologia respiratória, seguidos pelo Centro Hospitalar Cova da Beira (CHCB), assim como as redes de suporte social destes idosos. Foi também objeto de análise, a influência das variáveis sociodemográficas – género, idade, nível educacional e local de residência (variáveis independentes), com os scores de ansiedade, de depressão e de autoestima (variáveis dependentes), bem como a relação existente entre as variáveis dependentes. Métodos: É um estudo exploratório, descritivo, correlacional e transversal, de caraterísticas quantitativas, composto por uma amostra de 74 idosos com patologia respiratória, seguidos pelo CHCB, selecionados por conveniência (amostragem não aleatória). Foi elaborado um questionário individual, sendo constituído por duas partes: a primeira para descrever o perfil sociodemográfico e a segunda, onde foi aplicada a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HADS) e a Escala de Autoestima de Rosenberg (RSES). Para análise estatística, foi utilizado o Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 20.0 para Windows®, através da estatística descritiva e inferencial. Resultados e Conclusões: O tipo de rede de suporte social, mais frequente nos idosos em estudo foi a informal (68.9%), existindo idosos sem nenhum suporte social (12.15%). A maioria dos idosos, viviam acompanhados (78.4%), existindo idosos a viverem sozinhos (21.5%), sendo a maioria reformados (94.6%). A patologia respiratória mais frequente foi a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), com 51.35%. A prevalência de ansiedade, de depressão e de baixa autoestima foi de 54.02%, de 47.35%, e de 6.8%, respetivamente. Os idosos em estudo, apresentaram maior tendência para serem ansiosos (9.31±5.615) que depressivos (7.43±4.993), mantendo, no entanto, valores de autoestima satisfatórios (29.11±5.565). Por género, verificou-se que os idosos femininos foram em média mais ansiosos, depressivos e com menor autoestima que os idosos masculinos, concluindo-se que o género influenciou a ansiedade (ρ˂0.05), mas não a depressão e a autoestima (ρ≥0.05). Para além disso, os idosos com menores níveis educacionais, pertencentes ao meio rural e com idade ≥85 anos, foram em média mais ansiosos, depressivos e com menor autoestima que os idosos com maiores níveis educacionais, pertencentes ao meio urbano e com idade inferior a 85 anos, concluindo-se que a escolaridade, influenciou a depressão e a autoestima (ρ˂0.05), mas não a ansiedade (ρ≥0.05), não se verificando nenhuma influência em relação à idade e ao local de residência (ρ≥0.05). Ao nível das variáveis dependentes, concluiu-se que quando o score da ansiedade aumenta, o score da depressão tende também aumentar, e vice-versa. Por outro lado, concluiu-se que quando os scores da ansiedade ou da depressão aumentam, o score da autoestima tende a diminuir, e vice-versa, com correlações altamente significativas (ρ˂0.001).
Context: Old people with chronic respiratory disease have more propensity to psychiatric disorders, when compared with the general population. Anxiety, depression and low self-esteem, are the most common health issues. The psycho-emotional changes are probably the least diagnosed and treated in the context of respiratory diseases. Old people with respiratory disease, who attend respiratory rehabilitation programs, have lower levels of anxiety, depression and higher self-esteem that other old people in the same conditions. Objective study: Knowing the levels of anxiety, depression and self-esteem of old people with respiratory disease followed in the Centro Hospitalar Cova da Beira (CHCB), as well as their social support networks. It was also analyzed the influence of sociodemographic variables: gender, age, education and place of residence (independent variables), with scores of anxiety, depression, and self-esteem (dependent variables), as well as the relationship between the dependent variables. Methods: It is an exploratory, descriptive, correlational and cross-sectional study, of quantitative trait, consisting of a sample of 74 old people patients with respiratory disease followed in the CHCB, selected by convenience (not random sampling). An individual questionnaire, consisting of two parts, was drawn up: the first to describe the sociodemographic characteristics and the second where was applied the Hospital Anxiety and Depression Scale (HADS) and Rosenberg Self-Esteem Scale (RSES). To do the statistical analyze it was used the statistical package of the social sciences (SPSS), Windows® version 20.0, through descriptive and inferencial statistics. Results and Conclusions: The type of social support network more frequent in old people study was the informal (68.9%), existing old people with no social support (12.15%). Most old people live with other people (78.4%), existing old people living alone (21.5%), most of them retired (94.6%). The most frequent respiratory disease was pulmonary disease chronic obstructive, with 51.35%. The prevalence of anxiety, depression and low self-esteem was respectively of, 54.02%, 47.35% and 6.8%. The old people in study were more likely to be anxious (9.31±5.615), then depressive (7.43±4.993), while maintaining satisfactory self-esteem values (29.11±5.565). By gender, it has been found that the female old people were on average more anxiety, depressive and with lower self-esteem than the male old people, concluding that gender influenced the anxiety (ρ˂0.05), but not the depression and self-esteem (ρ≥0.05). Furthermore, those with lower educational levels, belonging to rural and aged ≥ 85 years old, were on average more anxiety, depressive and with lower self-esteem than the old people with higher educational levels, belonging to the urban environment and under the age 85 years old, concluding that schooling influenced depression and self-esteem, but not the anxiety (ρ≥0.05), having no influence in relation to age and place of residence (ρ≥0.05). At the level of the dependent variables, it is concluded that when increases the anxiety score, depression score also tends to increase and vice versa. On other hand, it is concluded that when the scores of anxiety or depression increase, the score of self-esteem tends to decrease, and vice versa, with highly significant correlations (ρ˂0.001).
Descrição: Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Gerontologia Social.
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/2985
Designação: Mestrado em Gerontologia Social
Aparece nas colecções:ESECB - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese Final Bruno Monteiro Ultima Entrega.pdf6,35 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.