Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/3030
Título: Viscoelasticidade dos flexores plantares, salto vertical e envelhecimento
Autor: Gomes, L.
Silvestre, R
Crisóstomo, Rute
Pinheira, Vítor
Cordeiro, Nuno
Freitas, S.
Palavras-chave: Viscoelasticidade
Flexores plantares
Envelhecimento
Data: 12-Jun-2015
Citação: GOMES, L. [et al.] (2015) - Viscoelasticidade dos flexores plantares, salto vertical e envelhecimento. In: Congresso Nacional de Fisioterapeutas, 9, Cascais, 12 a 14 de junho - Fisioterapia é Saúde. Lisboa: Associação Portuguesa de Fisioterapeutas. Comunicação oral.
Resumo: Objetivo: Verificar se existe relação entre a capacidade de armazenamento de energia elástica dos flexores plantares e o desempenho no salto vertical com contra-movimento (SVCM) em participantes de diferentes faixas etárias. Relevância: O processo de envelhecimento está associado a alterações das propriedades viscoelásticas do tecido músculo-esquelético, nomeadamente da sua capacidade de armazenar energia elástica. É reportado que estas propriedades podem estar relacionadas com o desempenho em tarefas de potência muscular, como é o caso do SVCM. Amostra: 30 participantes foram distribuídos por três grupos de faixas etárias distintas: 1) adultos-jovens (n=11, 21.2±1.3 anos); 2) adultos de meia-idade (n=9,50.7±9.3 anos); e 3) idosos (n=10,72.5±4.0 anos). Materiais e Métodos: A capacidade de armazenamento de energia elástica foi estimada a partir de testes de alongamentos passivos dos flexores plantares a diferentes velocidades (i.e. 2, 30, e 60°s¯¹), através do coeficiente de dissipação de energia (CD). O desempenho em tarefas de potência muscular foi quantificado com a medição da altura do SVCM. Análise Estatística: A normalidade dos dados foi verificada com o teste Kolmogorov-Smirnov. A correlação de variáveis foi determinada através do coeficiente de correlação de Pearson (r), e a comparação entre grupos através do teste One-Way ANOVA. Resultados: Observou-se uma correlação linear negativa (r= -0.423, p=0.02) entre o CD e a altura do SVCM. Não foram encontradas diferenças significativas no CD entre os grupos (p=0.137), no entanto foi observado um efeito significativo na altura do SVCM entre os grupos (p≤0.001). Conclusão: Observou-se no presente estudo que, participantes com maior capacidade de armazenar energia elástica durante o alongamento tendem a produzir desempenhos superiores no SVCM. Esta observação reforça a importância desta propriedade mecânica na manifestação do desempenho motor em tarefas de potência muscular.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/3030
Aparece nas colecções:ESALD - Comunicações em encontros científicos e técnicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Resumo nº146_CNF.pdf445,42 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.