Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/322
Título: Expressão do potencial produtivo e qualitativo da pereira “Rocha” sob diferentes regimes hídricos
Autor: Fernandes, B.
Ramos, A.S.
Silva, E.
Duarte, A.C.
Martins, J.M.S.
Palavras-chave: Rega
Pereira
Potencial hídrico foliar
Armazenamento de água no solo
Data: 2010
Editora: Associação Portuguesa de Horticultura
Citação: FERNANDES, B. [et al.] (2010) - Expressão do potencial produtivo e qualitativo da pereira “Rocha” sob diferentes regimes hídricos. In Simpósio Nacional de Fruticultura, 2, Castelo Branco, 4-5 de Fevereiro - Actas. Lisboa : APH. p. 98-104. (Actas Portuguesas de Horticultura ; 16). ISBN 978-972-8936-08-2.
Resumo: Para estudar a melhor estratégia de rega para a pereira “Rocha” de forma a realizar uma agricultura ambiental e economicamente sustentada, foram testados 3 tratamentos: Mod I – rega habitual do agricultor (95-100% da CC); Mod II – rega com início retardado até cerca de 60% da CC; Mod III – sem rega. Os volumes totais de água (precipitação + rega) fornecidos em cada modalidade foram 976, 396 e 140mm, respectivamente. O teor de humidade do solo (até 1 m de profundidade) e os potenciais hídricos foliares (máximo e mínimo) foram monitorizados semanalmente com a sonda DIVINER 2000 e com a câmara de pressão, respectivamente. Os resultados produtivos e qualitativos foram analisados por ajustamento não linear do crescimento do fruto em função do tempo (curvas de crescimento) e por ajustamento do peso médio do fruto, da produção, do teor em açúcares e da dureza da polpa em função d número de frutos por árvore (curvas do potencial produtivo). Pelos resultados obtidos, foi possível concluir que o crescimento do fruto e a expressão do potencial produtivo e qualitativo da pereira “Rocha” foram influenciados pela disponibilidade de água, mas não foram afectados pelo retardamento do início da rega até cerca de 60% da CC (Mod II). A redução do crescimento do fruto e da produção com o stress hídrico (Mod III) ocorreu para valores do potencial hídrico foliar máximo e mínimo inferiores a cerca de -0,45 e -1,50 MPa, respectivamente. O stress hídrico afectou a expressão do potencial produtivo, mas melhorou a expressão do potencial qualitativo (teor em açúcares).
Descrição: Trabalho apresentado no 2.º Simpósio Nacional de Fruticultura que decorreu em Castelo Branco, na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco, de 4 a 5 de Fevereiro de 2010.
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/322
ISBN: 978-972-8936-08-2
Aparece nas colecções:ESACB - Comunicações em encontros científicos e técnicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
SIMP_Frut_RAMOS5.pdf1,08 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.