Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/508
Título: Efeito da densidade de plantação e da cultivar no crescimento da cerejeira sobre o porta-enxerto edabriz em quatro locais do norte e centro de Portugal
Autor: Santos, A.
Cordeiro, V.
Parente, P.
Carvalho, M.L.M.
Ribeiro, R.S.
Lousada, J.L.
Palavras-chave: Ananização
Compassos
Intensificaçao
Intensividade cultural
Data: 2008
Editora: Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal
Citação: SANTOS, A. [et al] (2009) - Efeito da densidade de plantação e da cultivar no crescimento da cerejeira sobre o porta-enxerto edabriz em quatro locais do norte e centro de Portugal. Revista de Ciências Agrárias. ISSN 0871-018X. Vol.32, n.º2, p. 23-29.
Resumo: Foi avaliado o crescimento das cultivares de cerejeira Regina, Skeena e Sweetheart até ao final da 2ª folha, sob o efeito do portaenxerto Edabriz e quatro densidades de plantação. O ensaio foi implantado em Março de 2003, em quatro locais do Norte e Centro de Portugal, e compreende duas repetições em Caria, Vila Real e Alcongosta, e três em Carrazedo de Montenegro. A largura de entrelinhas é cerca de 5,0 metros, e as distâncias entre plantas na linha são 70, 140, 210 e 280 cm, a que correspondem densidades de 2600, 1300, 860 e 650 plantas/ha, respectivamente. Anualmente, foi registado o diâmetro do tronco de cada planta e calculada a sua área da secção do tronco (AST). No final da 2ª folha foram já significativas as diferenças de crescimento observadas, tanto ao nível do local como da densidade de plantação. As cerejeiras do ensaio de C. Montenegro cresceram mais 76, 36 e 9% do que as dos ensaios de Alcongosta, Vila Real e Caria, respectivamente, sendo o local responsável por 25% da variância total esperada. A densidade de plantação reteve já 3% da variância total, tendo as árvores deixadas a 70 cm na linha crescido menos 22% do que as mais afastadas. Por conseguinte, em Alcongosta e Vila Real as cultivares cresceram muito pouco neste porta-enxerto, pelo que em condições análogas é importante ajustar as dotações hídricas e nutricionais às necessidades específicas do porta-enxerto, de forma a melhor gerir o crescimento vegetativo e preparar as árvores para a sua função primordial: a produção.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/508
ISSN: 0871-018X
Aparece nas colecções:ESACB - Artigos em revistas com arbitragem científica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
v32n2a04.pdf802,29 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.