Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/626
Título: Anticoagulantes e tubos de colheita de sangue
Autor: Silva, João
Beato, Sílvia
Rodrigues, Francisco
Palavras-chave: Anticoagulante
Hemóstase
EDTA
Heparina
Citrato de sódio
Data: 10-Fev-2011
Citação: SILVA, João ; BEATO, Sílvia ; RODRIGUES, Francisco (2011) –Anticoagulantes e tubos de colheita de sangue. In Congresso Internacional de Análises Clínicas e de Saúde Pública, 1, Castelo Branco, 10-13 Fevereiro. Castelo Branco: IPCB. ESALD.
Resumo: Actualmente, com o aumento do número de amostras de sangue colhidas, o uso ou não de anticoagulante (consoante o tipo de testes laboratoriais a executar), o modo como a colheita é efectuada e o estado psíquico do doente tem muita influência na mesma colheita. Por vezes as colheitas são efectuadas por pessoas, que na maior parte das vezes, poucos conhecimentos têm sobre anticoagulantes. Se não possuírem os conhecimentos certos sobre os anticoagulantes, o modo como o transporte das amostras são efectuadas para o laboratório, o doente pode ser o principal prejudicado, pois pode ser submetido a nova colheita. O sistema hemostático é composto por diversos componentes, entre os quais se encontram as plaquetas, os vasos sanguíneos, as proteínas da coagulação, os anticoagulantes naturais e o sistema de fibrinólise. A hemostase torna-se assim num dos mais básicos mecanismos de defesa do organismo, pois preserva a integridade da circulação e limita a perda de sangue num vaso lesado. A coagulação é dependente de uma série complexa de interacções, nas quais o sangue perde as suas características de fluido, sendo convertido numa massa semi-sólida, formando um coágulo irreversível. A formação do coágulo sanguíneo está dependente de um conjunto de proteínas existentes no plasma, designados factores de coagulação. Normalmente estes factores encontram-se inactivos e não dão origem à coagulação, mas se um tecido estiver lesado os factores de coagulação são activados, produzindo, desta forma, coágulos. O sangue para prevenir a coagulação contém vários anticoagulantes, que impedem os factores de coagulação iniciar a formação de coágulos. Antitrombina, Heparina e Prostaciclina são exemplos de anticoagulantes que actuam no sangue. A coagulação “in vitro” envolve a transformação da fibrina em fibrinogénio. Assim, os anticoagulantes usados nos tubos para evitar a coagulação do sangue usado em exames laboratoriais e em transfusões sanguíneas são necessários. Heparina, EDTA e o Citrato de Sódio são os principais exemplos de anticoagulantes “in vitro”. Os anticoagulantes são usados quanto temos necessidade de obter sangue total ou plasma. Não existe um anticoagulante ideal para todos os exames laboratoriais. Em geral, os anticoagulantes têm como principal papel a interrupção da activação da cascata de coagulação, inibindo a formação da protrombina, impossibilitando a formação do coágulo. Concluindo é necessário saber quais os anticoagulantes utilizados na prática laboratorial e que doseamentos se podem efectuar com cada anticoagulante.
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/626
Aparece nas colecções:ESALD - Posters em encontros científicos/técnicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Poster Anticoagulantes joao Silva[1].pdf929,58 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.