Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/848
Título: As reformas sociais e a protecção da criança marginalizada : estudo histórico do século XIX a meados do século XX
Autor: Martins, Ernesto
Palavras-chave: Reforma social
Protecção à infância
Marginalização
Reeducação de menores
Imagem da criança
Data: Jul-2002
Editora: Instituto de Reinserção Social
Citação: MARTINS, Ernesto (2002) - As reformas sociais e a protecção da criança marginalizada: estudo histórico do século XIX a meados do século XX. Infância e Juventude. ISSN 0870-6565. Nº 3 (Jul./Set.), p. 55-93.
Resumo: Os historiadores da educação não têm dado o devido relevo ao estudo sobre o modo como viveram os menores considerados ‘marginais’, abandonados, desamparados ou delinquentes, em cada tempo histórico e o que lhes sucedia em situação de reclusão. Podemos conhecer essas realidades humanas, deduzindo dos dados documentais (âmbitos legalista, jurídico, sociológico, médico-psiquiátrico e pedagógico), já que os contemporâneos integravam muitas dessas problemáticas dentro do conjunto de adversidades derivadas da transição da sociedade às estruturas económicas e demográficas modernas, justificando assim muitas daquelas circunstâncias de criminalidade, de desvio e marginalização social. Até finais do século XIX, é-nos difícil seguir a infância e a juventude que não vivia dentro do marco social normal, porque não constituía uma preocupação jurídico-social e socioeducativa de ‘ordem’, pois o número de delitos e os problemas sociais que provocavam essas crianças/jovens eram escassos. Na verdade, havia menores em situação de desvio social, de criminalidade, mas a mentalidade colectiva, as instituições penais e institucionais não os separavam (tipificação) dos adultos, permitindo a confusão com esse mundo dos ilegais, dos reincidentes, dos vagabundos promíscuos. Apesar do discurso oficial e da legislação avulsa, os resultados práticos eram efémeros não só para a infância desvalida, como para a classificada jurídico-penal por delinquente, indisciplinada e ‘em perigo moral’, que era internada nas casas de correcção. No início do século XX promulga-se o direito tutelar de menores (1911), com medidas educativas, tutelares e de tratamento médico-pedagógico em internato ou semi-internato, que fez atenuar os índices de criminalidade infantil e juvenil e a reeducação daqueles menores.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/848
ISSN: 0870-6565
Aparece nas colecções:ESECB - Artigos em revistas sem arbitragem científica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
EM_Infância e juventude_nº 3.pdf14,2 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.