Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.11/906
Título: O conceito de emancipação como uma nova meta educativa na formação humana
Autor: Martins, Ernesto
Palavras-chave: Emancipação
Formação pessoal
Autonomia
Auto-realização
Ser pessoa
Data: Jul-1993
Editora: Universidade Federal de Uberlândia
Citação: MARTINS, Ernesto (1993) - O conceito de emancipação como uma nova meta educativa na formação humana. Educação e filosofia. ISSN 0102-6801. Vol. 7, nº 14 (Jul./Dez.), p. 39-59.
Resumo: Entre as questões teológicas e antro-pológicas de âmbito educativo, que nesta época marcam clara e sistematicamente todas as dimensões do “actuar/ser humano”, destacamos especialmente o conceito de “emancipação”. Este termo pedagógico influente na acção educativa, tende a libertar a criança/jovem das coerções, disciplina/autoridade exteriores, sendo visto pelos pedagogos como uma nova meta ou fim educativo (normatividade categórica do homem). Ele constitui a “chave” do entendimento humano e do mundo posmoderno cheio de movimentos emancipadores e autónomos. A sua importância no processo formativo é o conceber a “educação” ou “formação” como uma acção dinâmica processual nos “meios” e nas “situações/ambientes” do educar integralmente o homem. “Emancipação” (de e no homem) /”autonomia” e liberdade (de e no homem) são termos análogos e correntes nos meios educativos (emancipação dos jovens/gerações, da mulher, movimentos sócio-culturais, económicos e políticos, emancipação das étnias e povos nacionalistas…) apresentando-se às vezes com significados contraditórios na área das Ciências Sociais e Humanas. A conotação comparativa que vulgarmente utilizamos entre “emancipação”, “autonomia” e “liberdade”, os valores/interesses/necessidades, as atitudes e comportamentos, são normatividade que partem das reinvindicações dos grupos sociais, das novas gerações/valores e dos avanços científico-tecnológicos, que modificam as normas educativas (pré)estabelecidas. O seu uso, às vezes vulgarmente mal utilizado nas situações/contextos/ambientes, levou a uma desconfiança da verdadeira meta educativa da “emancipação”. Em qualquer campo do saber humano falamos com obsessão da necessidade de “autonomia”/”independência” ou “emancipação” livre de educar a criança/jovem, convertendo-se num “talismã” do processo formativo superador dos obstáculos que podem satisfazer os objectivos e metas educativas do homem a emancipar. Os conceitos pedagógicos (em geral antinómias) mencionados actuam inter/intra-individualmente de modo progressivo na formação da personalidade, na liberdade real (razão crítica, cultura, espírito…) nos valores/interesses/necessidades/motivações/ de formação de “ser pessoa”, nas pré-disposições das atitudes e dos comportamentos do indivíduo na sua conquista de “autorealização”.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.11/906
ISSN: 0102-6801
Aparece nas colecções:ESECB - Artigos em revistas com arbitragem científica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
educação e filosofia_nº14.pdf286 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.